Por que choro de recém-nascido não tem lágrimas?

Pediatra explica funcionamento do canal lacrimal e diz que, muitas vezes, o choro não significa uma necessidade a ser atendida; é apenas uma forma de comunicação

Quem tem um bebê “chorão” em casa sabe o quanto é agonizante precisar recorrer a mil e uma tentativas para fazê-lo parar. Muitas vezes, o choro começa fraquinho e vai aumentando. Então, você repara nos olhos daquele pequeno ser e não vê nenhuma lágrima sequer rolando. Lágrimas de crocodilo?

Segundo a pediatra Denise Lellis, da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), bebês de até três meses têm a produção de lágrima muito reduzida devido à imaturidade geral do organismo. Isso não significa que elas não existam. Elas estão lá, mas na função de manter os olhos lubrificados, sem quantidade suficiente para que rolem pelo rosto.

Ainda de acordo com a médica, a ausência de lágrimas não está relacionada à formação incompleta do canal lacrimal, que serve para drenar a lágrima, não para produzi-la. "O canal tira as lágrimas dos olhos e drena para o nariz. Esse é o caminho normal. Por isso, quando a criança está gripada e tem secreção no nariz, é comum aparecer nos olhos também”, explica.

Canal lacrimal obstruído

Pode acontecer de o canal lacrimal, no cantinho do olho, já colado ao nariz, estar obstruído. “Quando isso acontece, em vez de olho seco o bebê tem os olhos molhados, sempre lacrimejando e com secreção, já que não existe uma passagem para a drenagem do líquido que se acumula”, diz. A orientação, nesses casos, é fazer massagens circulares em cima do canal com uma sutil pressão em direção ao nariz.

Choro é comunicação

Outro ponto reforçado pela pediatra é que, diferentemente das crianças maiores que choram por algum motivo que as incomoda, isso não necessariamente acontece com os bebês menores. “Muitas vezes, aquele choro sem lágrima é apenas uma forma de comunicação, não significando dor ou algum sentimento”, diz.

Pediatra e Nutrologa Dra. Denise Lellis

Mídias Sociais